Dúvidas

21Mar11

– Eu te amo, disse ele.
– Ama nada, ela respondeu.
– Amo sim, juro!
– Você mal me conhece, não pode me amar.
– Não tenho culpa se já te amo em tão pouco tempo.
– Hum, sei.
– Você não acredita em mim?
– Não sei. Talvez.
– Eu te amo.
– Eu também te amo.
– Oxe! Mas, você não disse que não acreditava?
– Eu também não tenho culpa se já te amo.
– Então, tá!

Conheciam-se há pouco tempo. No máximo, quatro semanas. Foi um encontro casual, entre amigos, num bar, numa noite calma e preguiçosa de domingo. Segundo ele, interessara-se por ela desde o início, algo que ela contesta e ainda há de acreditar. Ela o achou interessante depois de alguns dias, quando conversaram algumas coisas sobre música, filmes, livros e cerveja. As amenidades simples que sempre dão um jeito de juntar duas pessoas diferentes em um único pequeno universo de cultura.

Ela gostava de beber e fumava descontroladamente. Ele bebia pouco e fumava bem menos que ela, passando a fumar mais só para acompanhá-la. Ela não se orgulhava disto. Ela gostava de passar os finais de semana em bares, boates, pubs, bebendo e se divertindo. Ele preferia ficar deitado no sofá de casa assistindo TV e namorando. Foram feitos um para o outro.

A primeira pontada de amor surgiu nela depois que estavam namorando há alguns dias. Ele enviou uma mensagem para seu celular dizendo que estava com saudades. Ela nunca havia sentido saudades dos namorados anteriores e sempre achava brega ficar dizendo que estava sentindo falta. Mas, quando viu a mensagem dele, suas pernas tremeram, seus joelhos amoleceram, seu coração deu um salto e ela suou frio um pouco. Estava apaixonada.

Ele já tinha histórico de paixões súbitas. Era carinhoso, atencioso, caseiro. Coisas que ela não suportava. No entanto, o aceitava com a naturalidade de quem está junto há 10 anos. Eles se entendiam e, quando não concordavam em algo, um sempre fazia um sacrifício para satisfazer a vontade do outro.

Nos próximos cinco meses, o relacionamento apenas aprofundou-se. Não se desgrudavam mais. Ela já não fazia questão de sair do final de semana, havia cortado os cigarros pela metade e mal bebia. Ele, por outro lado, aprendeu a gostar mais de barzinhos e festa, fumando um pouco mais e ultrapassando os limites da bebida, de vez em quando. Estavam entrando em um tipo de equilíbrio de personalidade. Um completava o outro, em quase todas as formas. Já não conseguiam passar muito tempo separados. Metade das coisas dela já estava na casa dele e metade da vida dele já estava na casa dela. Era impossível dizer onde um terminava e o outro começava.

No sexto mês, ele não agüentou. Pediu sua mão em casamento. Ela hesitou por uns 30 segundos, para fazer charme. Mas, as lágrimas começaram a cobrir-lhe o rosto e os dois se abraçaram, ambos chorando de felicidade. Foi marcada a data e pouco tempo depois, casaram-se.

Foi um ano de lua-de-mel. Ninguém acreditava que era possível um amor como aquele. Eram companheiros, amigos, amantes, apaixonados. Haviam comprado um apartamento pequeno, mas cômodo, com uma vista bonita da cidade. Ficavam sentados na varanda abraçados todos os dias quando chegavam do trabalho.

Certo dia, ele trouxe uma garrafa de vinho para a varanda. Sentaram-se um ao lado do outro. Ele pôs seu braço ao redor do pescoço dela e beijou-lhe a bochecha com carinho. Ela aninhou-se em seus braços e beijou-lhe a boca adocicada de vinho.

– Eu te amo, ele suspirou.
– Eu também te amo, ela respondeu.
– Ama mesmo?
– Claro que sim.
– Ainda bem.
– Ainda bem, por quê?
– Porque se não amasse, isso tudo não faria sentido.
– Tem razão. Nossas vidas seriam totalmente diferentes.
– Se não estivéssemos juntos, com certeza estaríamos longe desta cidade.
– Eu estaria na Inglaterra estudando literatura.
– Eu estaria nos Estados Unidos estudando negócios.
– Eu não seria escrava do meu trabalho.
– E eu não teria levar roupa para a lavanderia todo dia.
– Acho que eu estaria ganhando bastante dinheiro como crítica e escritora.
– Provavelmente, eu já teria minha empresa, bem encaminhada.
– Será que seríamos felizes?
– Não sei. Creio que sim.
– Mais do que somos hoje?
– Não sei. O quão feliz somos?
– Não sei. Pelo menos, moderadamente felizes, não acha?
– É, moderadamente. Será que chega a isso tudo?
– Talvez, então, felizes o suficiente para ficarmos juntos.
– E será que vale a pena ficar juntos apenas para sermos: “suficiente felizes”?
– Não sei. Sei que é tudo culpa do amor.
– Maldito amor, estragando a vida de pessoas que poderiam ser extremamente felizes, em vez de apenas felizes o suficiente.
– Pois é. Maldito amor.
– Você me ama mesmo?
– Não sei mais o que pensar. E você?
– Também não sei.
– Eu acho que precisamos decidir isso.
– Eu não te amo.
– Eu também não.



3 Responses to “Dúvidas”

  1. Que doideira. Adorei o texto🙂

  2. 2 janaina

    e o fim com fica eles se separa?

    • 3 Lala

      O fim depende da história de cada um. Mas, nesse caso, eles se separam e vivem felizes para sempre! =)


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: